Home Empresa Serviços Portfólio
3d + CLan Localização Contato

 Notícias tecnologia

Microsoft mira Amazon ao investir em pagamento automático para varejo


Microsoft apresentou amostra da tecnologia para varejistas de todo o mundo e tem conversas com Walmart sobre uma potencial colaboração. Presidente-executivo da Microsoft, Satya Nadella, durante palestra para estudantes na Índia. Anindito Mukherjee/Reuters A Microsoft está trabalhando numa tecnologia para eliminar caixas e filas em lojas varejistas, desafiando a loja automatizada da Amazon. A gigante de software está desenvolvendo sistemas que rastreiam o que os compradores adicionam aos carrinhos de compra, disseram seis pessoas familiarizadas com o assunto. A Microsoft apresentou uma amostra da tecnologia para varejistas de todo o mundo e tem tido conversas com Walmart sobre uma potencial colaboração, disseram três das fontes. A tecnologia visa a ajudar varejistas a acompanhar o ritmo da Amazon Go, loja altamente automatizada que foi aberta ao público em Seattle em janeiro deste ano -- duas novas unidades serão abertas em breve em Chicago e San Francisco. Os clientes da Amazon escaneiam seus smartphones numa catraca para ingressar na loja. Câmeras e sensores identificam o que eles removem das prateleiras. Quando os clientes terminam de fazer compras, eles simplesmente deixam a loja, e a Amazon lança a conta no cartão de crédito registrado. Amazon abrirá sua 1ª loja sem caixas e atendentes na segunda-feira Ponto Frio aposta em 'loja digital', com realidade virtual e vitrine eletrônica, para mudar a cara da rede; veja vídeo A Amazon Go fez rivais buscarem maneiras de se preparar para mais uma mudança liderada pela empresa. Alguns testaram programas em que os clientes escaneiam e embalam cada item enquanto compram, com resultados mistos. Para a Microsoft, tornar-se um aliado estratégico de varejistas pode resultar grandes negócios. Além de criar tecnologias de varejo, a empresa ocupa o segundo lugar, atrás da Amazon, na venda de serviços em nuvem, essenciais para a operação de sites de comércio eletrônico, por exemplo. Não está claro quando a Microsoft apresentará seu serviço de pagamento automatizado ou se essa tecnologia é a resposta que os varejistas estão procurando. Alguns, porém, vêem a tecnologia como a próxima grande inovação em compras, que os concorrentes da Amazon não podem ignorar. "Este é o futuro para pagamentos em lojas de conveniências e mercearias", disse Gene Munster, chefe de pesquisa da Loup Ventures em Minneapolis, que estima que o mercado norte-americano de pagamento automatizado em US$ 50 bilhões. O trabalho de caixa é um dos mais comuns Estados Unidos. A Microsoft disse que "não comenta rumores ou especulações". Walmart e Amazon se recusaram a comentar. Equipamento caro O esforço da Microsoft até agora é liderado pela equipe de inteligência artificial, disse uma pessoa. Um grupo de 10 a 15 pessoas trabalhou em uma série de tecnologias para lojas de varejo e apresentou alguns de seus esforços para o presidente-executivo da empresa, Satya Nadella, disse a fonte. Em reunião com a equipe meses atrás, Nadella recomendou um dispositivo que possa gerenciar dispositivos conectados, como câmeras de vigilância, com transferências mínimas de dados para a nuvem, o que reduziria os custos, disse a pessoa. Tornar sua tecnologia barata o suficiente para não acabar com as já apertadas margens de lucro dos supermercados é um grande desafio para a Microsoft, disse outra pessoa. A Microsoft já apresentou os fundamentos do seu sistema de checkout automatizado no seu centro em Redmond. A equipe interna da Microsoft, incluindo um especialista em visão computacional contratado da Amazon Go, trabalhou na conexão de câmeras aos carrinhos de compras para rastrear os itens dos clientes. E estudou novas formas de os smartphones serem envolvidos na experiência de compra, disseram as pessoas. Ainda assim, a indústria está tentando alcançar a Amazon. A empresa passou quatro anos construindo a Amazon Go em segredo, antes de lançar um piloto apenas para funcionários em seu campus de Seattle em 2016. Ela coletou dados por mais quase 14 meses antes de abrir as portas de sua primeira loja em Seattle. A Amazon disse que não tem planos de introduzir a tecnologia de pagamento automatizado em sua cadeia de supermercados Whole Foods Market, que comprou no ano passado. A empresa ainda está trabalhando duro para melhorar o serviço. O vice-presidente da Amazon, Dilip Kumar, disse à Reuters no início deste ano que está treinando computadores para identificar itens ou atividades com um mínimo de informação. 14/06/2018

BNDES apoiará projetos de Internet das Coisas com pelo menos R$ 1 milhão


Em iniciativa conjunta com MCTIC, banco abriu seleção de projetos-piloto de tecnologias para conectar dispositivos. O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou nesta quinta-feira que assinou acordo para cooperação com o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD), dos Brics, juntamente com as instituições de fomento de Rússia, Índia, China e África Reuters O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES) lançou nesta quinta-feira (14) o início da seleção de projetos-piloto de Internet das Coisas (IoT), que receberão ao menos R$ 1 milhão. Conduzida ao lado do Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações (MCTIC), a iniciativa tem orçamento de R$ 20 milhões, cujos recursos não são reembolsáveis. As propostas deverão ser enviadas até 31 de agosto (veja aqui). Como o BNDES limitará os recursos até 50% do valor total do projeto, os responsáveis pelas propostas deverão prever a aplicação dos valores restantes. Projetos de Internet das Coisas Internet das Coisas é um nome pomposo para denominar a conexão via internet entre dispositivos cotidianos, como eletrodomésticos, eletroeletrônicos, e até mesmo entre máquinas industriais. Podem enviar propostas instituições tecnológicas públicas ou privadas sem fins lucrativos. Cada uma pode submeter até três pilotos. 4ª revolução industrial: Como robôs conversando com robôs pela internet vão mudar sua vida Internet das coisas: há mais máquinas online que celulares e elas têm até rede própria As iniciativas de aplicação selecionadas deverão ser testadas em plataformas experimentos ou em ambientes reais. Infográfico explica como funciona a Internet das Coisas Arte/G1 BNDES e MCTIC receberão ideias que tratem de tecnologias para três verticais. Aqueles voltados para Cidades Inteligentes, devem mirar: redução de desperdícios, iluminação pública, aumento da capacidade de vigilância monitoramento aumento da atratividade de transportes públicos. Já os voltados para ambiente rural, devem tratar de: uso eficiente de maquinário dos recursos naturais e em segurança sanitária bem-estar do animal. A terceira vertical para desenvolvimento de projetos é a de saúde, que devem focar: monitoramento de pacientes; ativos e insumos; diagnóstico descentralizado. Os projetos devem ser executados dentro de um prazo de até 24 meses. Ao fim desse período, as instituições apoiadas devem prestar contas sobre como o dinheiro foi gasto. A ideia é que publiquem uma avaliação dos resultados dos projetos-piloto. A iniciativa faz parte do Plano Nacional de Internet das Coisas, com que o governo federal pretende fomentar o ecossistema de máquinas conectadas no Brasil. O BNDES informou que a próxima etapa de seleção de projetos-pilotos de IoT vai direcionar investimentos para o ambiente industrial. Nesse caso, a ideia será também promover o desenvolvimento de plataformas industriais da chamada 4ª Revolução Industrial. O plano Para balizar as medidas que do plano, o governo contratou a consultoria McKinsey, o escritório Pereira Neto Macedo Advogados e o Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD). Eles trabalharam em um estudo ao custo de R$ 17,4 milhões para mapear as oportunidades geradas pela Internet das Coisas (IoT) e o potencial do Brasil. Um dado preliminar da análise dá conta de que a IoT pode gerar de US$ 4 trilhões a US$ 11 trilhões em 2025. 14/06/2018

'Stranger things' vai virar game


Estúdio Telltale Games é o mesmo que já fez jogos de 'Walking dead' e 'Game of thrones'. Produtora também vai lançar na Netflix o projeto 'Minecraft: Story mode'. Gaten Matarazzo, Finn Wolfhard, Caleb McLaughlin e Noah Schnapp em cena da segunda temporada de 'Stranger Things' Divulgação A Telltale Games anunciou, nesta quarta-feira (13), que vai fazer um game inspirado na série "Stranger things", da Netflix. O estúdio é o mesmo que já fez jogos de "Walking dead" e "Game of thrones". Em nota divulgada no Twitter, a Telltale informou que "está desenvolvendo um game baseado em 'Stranger things' que nós disponibilizaremos em consoles e computadores em uma data futura". "Nossa parceria com a Netflix é algo do qual nós estamos incrivelmente orgulhosos, e enquanto não tivemos nada mais para divulgar neste momento, estamos animados para revelar detalhes desses projetos mais para frente neste ano". O outro projeto ao qual o comunicado se refere é "Minecraft: Story mode", descrito como uma "aventura interativa" que vai ser lançada diretamente na Netflix no segundo semestre. De acordo com o site TechRadar, inicialmente o game de "Stranger things" estava previsto para sair junto com a segunda temporada da série, lançada em outubro de 2017, mas acabou sendo adiado. 14/06/2018

Kassab diz que ainda é possível fazer marco regulatório de telecomunicações em 2018


Marco trata da transformação das concessões de telecomunicações em autorizações. O ministro Gilberto Kassab fala durante evento no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, em fevereiro de 2018 Marcelo Brandt/G1 O ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Gilberto Kassab, afirmou que ainda é possível fechar este ano o marco regulatório para o setor de telecomunicações e que há boa vontade dentro do governo para viabilizar o tema em 2018. Segundo ele, as discussões estão avançadas e "não falta muito" para viabilizar o novo marco. De uma maneira geral, o marco trataria da transformação das concessões de telecomunicações em autorizações, o que em tese daria mais flexibilidade e liberdade às empresas. Banda larga deve ser novo foco das telecomunicações no Brasil "Vamos tentar fazer esse ano... estamos ainda no primeiro semestre e como existe boa vontade e potencialidades em ministérios e áreas afins, acredito que a gente vai conseguir ainda esse ano", disse Kassab a jornalistas após o lançamento no BNDES de um programa para financiar a Internet das Coisas. 14/06/2018

1
2
3
4
5
6
7
Todos os direitos reservados Clandevelop
Parceiro: Coisas de Programador
Google+